Filipa Matta
bio

Licenciada em teatro, na Escola Superior de Teatro e Cinema – Ramo de Actores, tendo terminado o curso em São Paulo na USP/ECA. Frequentou o curso de pesquisa e criação coreográfica do PEPCC em 2015 e a formação de auto-edição da Oficina do Cego em 2018. Tem colaborado enquanto actriz e assistente de encenação em projectos na área do teatro, cinema e performance, com Pedro Gil, Tónan Quito, Cláudia Varejão, Nature Theater of Oklahoma (US), Cão Solteiro e André E. Teodósio, Joana Linda, Hugo Pedro, Tiago Rodrigues, entre outros.

Do seu próprio trabalho destaca os trabalhos colaborativos com o grupo Medalha d’ouro “À morte d’Anton” (2012) e “Erro dramatical” (2014); o seu primeiro projecto a solo “Memória individual implícita ou explícita” (2016), “Bioluminescência” uma criação a convite da RTP2 (2019) e “Querer-se morrer confortavelmente na dor” (2020) desenvolvido em conjunto com Oscar Silva.